A Experiencing Food Designing Dialogues, 1ª conferência internacional de food design e food studies, durou 3 dias 19, 20 e 21 de Outobro 2017. Só consegui assistir aos dois primeiros dias que foram muito intensos em aprendizagem e partilha.

A minha (nossa) participação com os projetos Mercado Fora d’Horas e Tempero foi uma excelente oportunidade de partilhar este percurso construído com tanto afeto.

Conheci muitos colegas com super projetos e de diferentes partes do mundo. Projetos que pela dialética e versatilidade afirmam o fooddesign como uma disciplina em expansão.

Os diálogos entre comida e design demonstram ser pertinentes, as relações que podemos estabelecer com a gastronomia são amplas e refletivas.

Infelizmente não consegui assistir a tudo – nas conferências raramente é possível – portanto apenas irei comentar muito brevemente sobre as keynotes que observei.

Fabio Parasecoli  professor na The New School  falou dos food studies, dos wicked problems e do que será a autenticidade, entre outras questões. Ele colocou, a nós designers, a proposta para nos posicionamos com uma visão de valor e de futuro.

Charles Spence abordou os seus mais recentes estudos (ver Gastrophysics: The New Science of Eating) sobre as nossas expectativas sobre o gosto, a experiência da prova e as sensações e qualidades associadas à degustação. “Os prazeres da mesa estão sobretudo na mente, não na boca“.

Heloise Vila Seca apresentou o projeto revolucionário do El Celler de Can Roca & BBVA,  na sua apresentação mencionou a “criativade transversal”, as imagens estavam muito cativantes e os vídeos eram soberbos.

Sonia Massari mostrou ser uma das figuras de referência nesta área, falou do Gustolab e mais uma vez foi mencionada a importância que os designers têm no desenho de soluções para o futuro, e o futuro terá sobretudo de pensar e agir sobre a sustentabilidade. Criatividade e pensamento crítico – tema recorrente em todo o encontro.

Honey and bunny: Martin Hables Reiter  e Sonja Stummerer, (quem não os conhece, que pare tudo o que está a fazer agora e vá googlar) mostraram vários dos seus projetos em que a “comida tem a história e mensagem certa “. Os trabalhos destes austríacos são provocatórios, humoristas, jogam com regras culturais e demonstram grande reflexão sobre as temáticas da atualidade. As grandes questões como o desperdício, o excesso de consumo ou o “fetische do novo“. “A comida toca imediatamente as pessoas“.

Sonia Massari
Fabio Parasecoli
Posters Tempero e Mercado Fora d’Horas
Os já muito bem usados crachás e brochuras da #efdd2017

Todo o ambiente da conferência foi profissional sem ser pesado ou elitista, afinal todos estávamos para o mesmo: conhecer e dar a conhecer.